Sinais, sintomas, diagnóstico e tratamento da osteoartrite

por | junho 3, 2019

Compartilhar é se importar!

Dores nas articulações, principalmente nos punhos, dedos das mãos e joelhos nas mulheres e no quadril e coluna nos homens são os principais sintomas da osteoatrite.

Nota: Isso não é uma regra, e sim o mais comum. Ou seja, os padrões podem variar.

As pessoas com osteoartrite relatam dor profunda, pouco específica. Quando o problema encontra-se no joelho, o paciente relata dor na panturrilha. Quando o problema se localiza no quadril, a dor é referida nas nádegas (bumbum) e quando a coluna vertebral é afetada, a dor reflete nas pernas, devido ao nervo isquiático. A explicação para estes acontecimentos é simples: com a redução do espaço articular, ocorre compressão nervosa que irradia a dor ao longo de seu trajeto.

A dor da osteoartrite piora com o uso da articulação lesada, pode melhorar ou não com o repouso, onde a carga é removida da articulação e como falamos, pode ser irradiada. A articulação também fica inchada.

Como é feito o diagnóstico da osteoartrite?

Geralmente o diagnóstico é feito quando o quadro já está avançado e geralmente não se pode mais fazer nada. Isso porque o problema só é relatado quando a dor se agrava e o processo de degeneração já começou.

O ideal, é prevenir a doença com controle do peso e desenvolvimento muscular.

Os exames de Raio-X e tomografia computadorizada podem ser pouco específicos para o diagnostico da osteoartrite em sua forma inicial. Já a ressonância magnética consegue visualizar pequenas alterações que podem sinalizar a doença. Associado a ressonância magnética, exames de sangue específicos podem ser úteis para revelar processos inflamatórios. Na fase avançada, o Raio-X revela deformidade nas articulações e neste caso é um bom exame, que pode ser por si só, esclarecedor.

Como é feito o tratamento da osteoartrite?

O ideal, é a prevenção, evitando que o processo de degeneração articular se inicie. No entanto, depois de instalado este processo, a única maneira de se contornar o quadro é evitar que haja pioras, e para isso é necessário um diagnóstico precoce. Neste caso, o profissional da saúde deverá instruir a pessoa a passar por um processo de reeducação alimentar associado à pratica de exercícios físicos com o objetivo de fortalecer a musculatura do corpo, reduzindo a sobrecarga nas articulações.

Outra forma de conter o problema é a colocação de próteses mecânicas para substituir a articulação lesada. No entanto é um procedimento cirúrgico de alto risco com altas taxas de mortalidade associadas, principalmente relacionadas ao desenvolvimento de tromboembolismo pulmonar pós cirúrgico.

Hoje, entre 60% – 70% dos idosos acima dos 75 anos de idade não conseguem caminhar e 75% das mulheres com mais de 70 anos não dão conta de segurar 5kg sem ajuda.

Por isso, a prevenção é a melhor maneira de dar manutenção ao seu organismo e evitar que este compadeça aos seus olhos.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *