Compartilhar é se importar!

Conheu00e7a todos os riscos que o carnaval tru00e1s a sau00fade

O carnaval apresenta um verdadeiro composto de bem-estar temporário, onde fantasias, músicas, festas de arromba, desfiles, pessoas bonitas, todos os tipos de drogas licitas e ilícitas e curtição sem limites se unem na maior festa popular brasileira.

Muitas pessoas se preparam fisicamente, frequentando academias e realizando rigorosas dietas; financeiramente, poupando para os dias de carnaval e mentalmente, massageando seu ego, dia após dia, para que ele governe durante os dias de carnaval, dias esses, onde muitas pessoas assumem o status de relacionamento: “eu sou de todo mundo”.

Tudo isso tem suas consequências, e por mais que a mídia publique, o facebook compartilhe ou o pai e a mãe aconselhe, ainda assim, existem aquelas pessoas que preferem não ouvir, afinal, carnaval é carnaval e acontece apenas uma vez no ano.

Pesquisas recentes, divulgadas pelo Ministério da Saúde e também pela USP mostraram que nós dias seguintes após o carnaval, a procura pelo serviço de saúde aumenta em 40%. Esse número leva no mínimo duas semanas para se estabilizar.

Atualmente, não só as doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez assombram os foliões, além dessas, temos ainda doenças de contaminação em massa, como a hepatite, meningite, tuberculose, conjuntivite e outras, associadas a microrganismos presentes no ar, nas mucosas e líquidos corporais.

Durante o carnaval, pequenos surtos de gripe também são registrados, muitos casos de herpes, principalmente a labial, além da mononucleose, faringite, amigdalite e outras.

Por isso, o simples fato de utilizar preservativos não faz com que você esteja protegida(o), afinal, o sexo não é a única fonte de entrada para que microrganismos tenham acesso privilegiado a todo seu organismo.

Associadas ou não com doenças físicas, ainda existem outras de aspecto emocional que podem surgir, provocadas pelo uso excessivo de álcool e drogas dos mais diversos tipos e também relacionadas a ações imprudentes realizadas durante a festividade, cuja reação venha a se estabelecer depois, como por exemplo, uma gravidez indesejada, uma relação sexual sem proteção com um potencial portador de SIDA/AIDS, ou mesmo uma rotatividade de parceiros(as) grande o suficiente para lhe causar arrependimento e fazer-lhe duvidar de sua própria integridade física e moral.

No final, a melhor maneira para aproveitar o carnaval e não sofrer nem durante e nem depois, continua sendo a prevenção!

Durante a festa, beba bastante água para não se desidratar, utilize roupas frescas e se alimente preferencialmente com frutas, verduras e legumes (sempre checando a fonte destes), não abuse no consumo de bebidas alcoólicas – lembre-se que existe um limite para o nosso organismo processar o álcool ingerido, ultrapassá-lo significa drásticas reduções nos níveis de glicose (o que pode culminar em um coma alcoólico), ou pior, o folião pode perder a consciência ou ainda entrar em um quadro de hepatite aguda, sinônimo de morte certa em 90% dos casos.

Cuidado com os locais que irá se aventurar, tente observar no mínimo, se a estrutura é segura e se em casos de incêndio ou situações de pânico, existem locais de fácil acesso para se proteger, evitando assim que você faça parte de um incidente desagradável.

Tenha sempre em mãos preservativo e não tenha vergonha de exigir que seu parceiro faça uso dele. Por fim, se depois da festa você perceber qualquer anormalidade no seu corpo, procure o serviço de saúde ou seu médico de confiança o mais breve possível.

Aproveite o carnaval com intensidade, seja feliz e procure sempre elevar seus níveis de bem-estar com responsabilidade, consciência e lembrando-se sempre que um ato impensado pode repercutir por toda a sua vida, seja de maneira positiva ou negativa.

Compartilhar é se importar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *